sábado, 24 de julho de 2010

‘Tás aqui …. ‘tás a ver estrelas!

Brad-brad-pitt-2161302-2000-2000

 BRAD PITT (Parte 6)

A entrada no novo milénio ….

 

FIGHT CLUB

fight_club

Antes do previsto fim do mundo no ano 2000, as pessoas sentiam-se saciadas cinematograficamente. Parecia que agora sim poderiamos morrer em paz. Depois de ver este filme todos nós nos sentimos mais fortes, importantes e satisfeitos. É perfeita a realização de David Fincher, é perfeita a história e o seu incrível twist final, são incríveis os pequenos pormenores de magia que nos transportam (como o cinema deveria fazer sempre) para um novo mundo, e é mais uma vez perfeita a representação de Pitt num filme muito físico em que muito se abusou da beleza do seu corpo musculado.

É curioso que Pitt tinha sido considerado neste mesmo ano para entrar em Matrix e acabou a fazer este filme de culto. O destino segue caminhos sinuosos mas quase sempre certos. Mas nem só de Pitt é feito este filme, também Edward Norton nos transporta na melodia da sua voz inconfundível e Helena Bonham Carter no seu aspecto estranho. Os dois actores em conjunto formam uma força inexplicável, entre a leveza de Norton e a dureza de Brad.

Uma entrevista dos dois talentosos actores …

É incrível como este se tornou num filme de culto apenas quando foi lançado em DVD, tendo o seu sucesso sido morno no cinema, com reacções diversas. Também não foi ajudado pelos executivos do estúdio que cortaram pela raiz muitas das ideias de marketing que Fincher tinha.

Aqui vai uma das cenas de propaganda do filme …

Este é com toda a certeza um dos melhores filmes em que Pitt participou até ao momento.

Deixo-vos com um momento de humor nas filmagens ….

Curiosidades:

A personagem de Brad Pitt iria recitar no filme uma receita de como fazer uma bomba em casa (algo que aparece no livro), mas para segurança do público decidiram retirar essa cena.

Na cena em que Pitt e Norton estão bêbedos a atirar bolas de golfe, na realidade eles estavam mesmo alcoolizados e estavam a mandar as bolas de golfe contra a lateral do camião de catering.

Na cena em que o narrador acerta em Tyler Durden, Norton, apesar do combinado ser não acertar em Pitt acertou-lhe a pedido de Fincher, pelo que o esgar de dor é real.

Brad Pitt e Helena Bonham Carter passaram três dias a gravar sons orgásmicos para a cena em que fazem sexo.

Tanto Norton como Pitt aprenderam a fazer sabonete.

 

 

SNATCH

10068725

Este filme do ano 2000 é uma sopa de personagens e situações caricatas misturadas numa longa-metragem de enorme qualidade dirigida por Guy Ritchie. Teve um grande sucesso a nível comercial e de criticas, sendo tal como o anterior um filme de culto. Está na lista da revista Empire dos 500 melhores filmes de sempre, e tudo isto também é graças a mais uma estrondosa representação de Brad Pitt.

Pitt é, tal como em Fight Club, a alma do filme. A sua representação de um cigano com um sotaque cerradíssimo é magistral, com uma mistura de rudeza, estilo, beleza, labreguisse e comédia, tudo num só personagem. Atrevo-me a dizer que a par da personagem de 12 macacos é das mais originais que tive o prazer de ver neste grande actor. É também curioso o facto de Brad fazer duas personagens que envolvem boxe em dois filmes seguidos (facilitou no entanto o cabedal que já tinha ganho para o filme anterior).

Aqui fica um excerto (o Inglês é lixado como tudo) …

Este ano foi também o ano em que casou com a actriz (maioritariamente de TV) Jennifer Aniston. Ganhou também em 2000 de novo o título de Sexiest Man Alive da revista People.

brad_pitt7A_180_240brad-pitt-snatch

Curiosidades:

Pitt era fã de Lock, Stock and Two Smoking Barrels e pediu para entrar no próximo projecto de Guy Ritchie. Como não conseguia fazer o sotaque londrino, Ritchie decidiu-se a dar-lhe o papel de cigano. Pelos vistos os sotaques são o ponto fraco do actor.

Quando o realizador lhe disse que iria fazer papel de boxeur, Pitt ficou preocupado pois o seu último trabalho (Fight Club) tinha envolvido porrada também.

 

 

 

THE MEXICAN

003_mexicanros~The-Mexican-Posters

Seguiu-se em 2001 a comédia romântica/road movie, na qual contracena com a “namoradinha da América” Julia Roberts, The Mexican. A premissa do filme é que a personagem de Pitt tem de transportar uma pistola mitica mexicana para os EUA, mas a namorada não o quer envolvido em problemas, então passa o tempo todo a chagar-lhe o juizo. Este filme teve muito sucesso no box office, como seria de prever, no entanto é apenas e só uma comédia lamechas competente.

É no entanto de louvar, e nunca é demais vincar a versatilidade de Pitt para estilos diferentes. Já aqui estava provada a qualidade monstruosa deste actor.

Aqui fica uma cena do filme …

E uma entrevista com os dois protagonistas …

 

 

 

SPY GAME

poster spy game

Neste bonito ano de 2001 chegou ainda um filme que mais uma vez provava a enorme versatilidade de Pitt. Desta vez faz o papel de um espião da CIA, contracenando com Robert Redford. Neste filme de Tony Scott, Brad é mais uma vez agraciado com criticas positivas quanto à sua representação (tal como Redford), no entanto o filme é criticado por exibir mais uma história de espiões que não adiciona muito.

Este filme rendeu bastante dinheiro nas salas de cinema, talvez também devido ao esforço publicitário do actor, como podemos ver neste sketch engraçado que se segue …

Aqui fica um excerto do filme …

 

 

 

Participação num episódio de FRIENDS

Em 2001 o actor entrou num episódio da série Friends, contracenando com a sua mulher de então Jennifer Aniston. Faz um papel oposto da vida real, em que não gosta muito da personagem de Aniston. A sua performance foi tão boa que lhe valeu o aplauso da critica e a nomeação para um Emmy Award, para Outstanding Guest Actor in a Comedy Series.

Aqui fica uma sequência desse mesmo episódio …

 

Na próxima parte (Parte 7) teremos o começo da saga Ocean’s ….

 

BD

Arquivo:

Parte 1, carrega aqui.

Parte 2, carrega aqui.

Parte 3, carrega aqui.

Parte 4, carrega aqui.

Parte 5, carrega aqui.

9 comentários:

  1. Parabéns pelo esforço, mais uma vez. Sei bem o trabalho que isto dá. Eu para comentar dois filmes demoro uma hora, quanto mais tu, com videos...

    ResponderEliminar
  2. O melhor filme dele é, provavelmente, Fight Club, especialmente a sua personagem.
    O episódio de Friends consegue ser engraçado mas não muito graças a ele.

    Abraço
    Cinema as my World

    ResponderEliminar
  3. Quero destacar três filmes:

    Fight Club- Apesar de não adorar o filme, reconheço a excelente interpretação de Pitt.

    Snatch- Este, adoro quer o filme, quer Pitt. Grande obra e grande interpretação.

    Spy Game- Já falei dele, é um guilty pleasure. Gosto muito do filme, embora Pitt não esteja especialmente bem...

    Abraço ;)

    ResponderEliminar
  4. Dora: Muito obrigado ... é feito com muito prazer.

    Nekas: Fight Club é mesmo um grande filme.

    Jackie: Dois grandes filmes, só não vi o Spy Game.

    A todos as minhas desculpas pelo atraso nas respostas.

    Abraços.

    ResponderEliminar
  5. Normalmente não falho um filme dele...
    Ontem acabei por rever o Meet Joe Black, que embora não seja nem de perto nem de longe uma das suas melhores participações e mais um dos que não perco tendo em conta a sua presença.

    Adorei o Snatch e o Fight Club...e como não podia Deixar de ser o Inglorious Basterds!

    ResponderEliminar
  6. @ JB: Spy Game não o vejo como um guilty pleasure. é um bom filme de espiões e contra-espionagem, com um bom twist no final (assim de memória é o que me recordo, pois já o vi há uns bons anos). Curiosamentem foi o filme que o juntou a outro grande nome do cinema (já teve Hopkins por duas vezes, Harrison Ford e desta vez com Robert Redford. Curiosamente, acho-o Pitt muito parecido com Redford.

    Vá lá, guilty pleasure mesmo será "A Mexicana" que é demasiado fraco e apenas serve-se pela união desta dupla em questão.

    @ Bruno Duarte: Mais um bom artigo, sim senhor. Mas isto está a ficar muito exaustivo também devido ao lado académico em demasia. mas a tua ideia é boa e acho que a poderias dirigir para um cariz mensal (cada mês dedicavas a alguém que aches valer a pena tudo isto).
    Estão aqui só neste artigo 3 bons filmes dele: Fight Club (talvez mesmo o melhor da carreira dele, pela simbiose realizador/actores/história na perfeição), o "Snatch" (ai que filho da p.. de cigano do caral... - demais mesmo) e o interessante "Spy games" (um título que até diz mais do que parece).
    A seguir vamos ter "Let's kill nazies!"... espero que o artigo chega já a esse.

    ResponderEliminar
  7. Marta: São bons filmes sim senhor!Também estive a ver o Meet Joe Black.

    Paulo: Tentei que estes especiais tivessem mais vídeos e menos texto. Vou continuar este até ao fim como tenho feito, para manter a coerência. No entanto os que fizer para outros actores vou tentar abreviar.
    Obrigado pela dica, é um comentário muito construtivo. Quanto à mensalidade da coisa, é mais difícil, pois é muito trabalhoso.
    O Basterds já falta pouco, mas ainda não é no próximo. Faltam sensivelmente 3 para acabar.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  8. Post muito interessante sobre aquele que considero ser um dos actores mais interessantes da sua geração. Desde os seus papéis em filmes como o Kalifornia, 12 Monkeys, Se7en, Fight Club e Snatch ele demonstrou desde cedo ter uma granda habilidade para encarar grandes papéis. Creio que teve um período menos bom - 2001 a 2005, probably - mas apartir daí, e com filmes como o Babel, The Assassination of Jesse James, Burn After Reading, Benjamin Button e Inglourious Basterds, ninguém o pára!

    ResponderEliminar
  9. É um grande actor ... brevemente faço mais um post de continuação ao especial sobre ele.

    Abraço.

    ResponderEliminar